Afinal, como escolher cardioversor? Descubra!

Afinal, como escolher cardioversor Descubra!
6 minutos para ler

A tecnologia é uma grande aliada da medicina há séculos. No entanto, nos últimos anos, o rápido desenvolvimento tecnológico permitiu que os equipamentos hospitalares se tornassem cada vez mais eficazes para evitar e reverter até os quadros mais graves. Esse é o caso das terapias elétricas, que são bastante diversas entre si. Por isso, neste artigo explicaremos como escolher cardioversor.

Esse aparelho é fundamental, pois é utilizado em um dos órgãos mais importantes do nosso organismo: o coração. Mesmo sendo tão necessário, muitas pessoas ainda confundem os cardioversores com os desfibriladores ou outros equipamentos elétricos e suas diferentes funções.

O fato é que na hora de adquirir ou alugar equipamentos hospitalares, é bom entender bem quais são as necessidades do seu hospital ou sua clínica. Assim, neste artigo explicamos para que serve, como funciona e como escolher cardioversor. Continue lendo para saber mais!

Para que serve um cardioversor?

O cardioversor é um equipamento usado em clínicas, hospitais ou em ambulâncias de emergência. Tem a função de diagnosticar e tratar diferentes tipos de arritmias cardíacas. Isso acontece porque ele detecta a atividade elétrica do órgão, enviando um impulso elétrico para sincronizar os batimentos, restaurando o ritmo cardíaco, também chamado de cardioversão.

As arritmias, por sua vez, são distúrbios em que as fibras cardíacas ficam despolarizadas, alterando a frequência e o ritmo dos batimentos. Esse problema pode ser crônico ou temporário, no qual as crises podem levar à morte do paciente. Por isso, o cardioversor precisa ser usado rapidamente, com a emissão de pulsos elétricos que restauram os batimentos.

Neste sentido, o cardioversor pode ser usado tanto para o tratamento de crises agudas quanto para o diagnóstico do problema. Isso porque ele possibilita a análise do ritmo cardíaco, podendo ser usado, inclusive, para procedimentos agendados com os pacientes.

Como o aparelho funciona?

O cardioversor pode ser usado para o monitoramento pontual ou contínuo dos batimentos cardíacos, fornecendo as informações necessárias para a equipe médica tratar os pacientes em diferentes situações. Dessa forma, funciona para o monitoramento contínuo das funções cardíacas, por meio de um cabo de ECG, proporcionando a análise de várias derivações.

Mas o cardioversor pode ter diversas funções, variando de acordo com o modelo. Alguns podem funcionar até como eletrocardiograma (ECG) e marcapasso. Ele pode ser usado também como oxímetro de pulso (SPO2), permitindo o monitoramento da frequência respiratória a partir da saturação de oxigênio verificada na pulsação.

Já no módulo de capnografia (ETCO2), o aparelho ajuda a verificar a frequência respiratória a partir do volume de dióxido de carbono inspirado e expirado pelo paciente. Outra aplicação muito comum é como marcapasso externo, em que ele é conectado ao peito do indivíduo, estimulando o coração em casos de déficit cardíaco ou parada total.

O cardioversor é usado, ainda, no modo DEA, em que ele funciona como um desfibrilador DEA para identificar taquicardias e fibrilações. Logo que identificado o problema, o aparelho emite uma notificação, podendo ser acionado um choque elétrico que restaura as funções do coração.

Para todas as situações descritas acima, o cardioversor pode ser usado tanto em ambiente hospitalar quanto em clínicas e unidades móveis de emergência. Inclusive, por ser um aparelho relativamente pequeno, costuma ser usado em ambulâncias para o atendimento emergencial em diversos momentos.

Qual a diferença para o desfibrilador?

É comum ainda, mesmo entre os profissionais de saúde, quem confunda o cardioversor com o desfibrilador. Apesar de serem semelhantes em alguns casos, eles não são a mesma coisa. Isso porque os modelos de cardioversores têm mais funções, sendo mais completos.

O desfibrilador é usado para reverter a fibrilação cardíaca e a taquicardia, por meio da emissão de um pulso elétrico. É emitido um choque não sincronizado, para dar um novo impulso ao músculo do coração, que volta a bater normalmente. Ou seja, é mais indicado para emergências médicas.

O cardioversor, por sua vez, também pode ser usado dessa forma, no entanto, acumula outras funções. O aparelho pode ser usado para monitorar diversos sinais vitais do paciente, como os batimentos cardíacos, a pulsação e a respiração.

Além disso, é usado para o diagnóstico de arritmias, ajudando a prevenir crises, principalmente porque os pulsos elétricos são emitidos de forma sincronizada com o coração. Sem contar que pode atuar no modo automático e no manual, facilitando o uso por mais tempo para restabelecer as funções cardíacas.

Como escolher cardioversor?

Para saber como escolher cardioversor, antes de tudo é preciso entender como ele será usado. Uma grande vantagem é que ele pode ser utilizado tanto em clínicas e consultórios médicos quanto em ambiente hospitalar e até em ambulâncias e unidades móveis de emergência.

Como existem modelos diferentes, é bom entender como ele será melhor aproveitado. De todo modo, é um equipamento bem completo, podendo ser usado em pacientes de todas as idades, inclusive idosos, crianças e bebês recém-nascidos.

Dessa forma, ao escolher cardioversor, é fundamental analisar como ele será utilizado e comparar as diferentes funções de cada modelo. Outro fator que deve ser verificado é se o aparelho é portátil, que pode ser mais adequado em ambulâncias.

Mas o mais importante a ser considerado é a qualidade do aparelho. Faz toda diferença adquirir um cardioversor de um fabricante reconhecido no mercado e com boa credibilidade. Afinal de contas, isso pode ser decisivo para o bom funcionamento do equipamento, principalmente em situações de emergência.

Além disso, na hora de comprar é bom comparar o custo-benefício, pois nem sempre o mais barato é o que vale mais a pena. Vai depender das funções do aparelho e de como ele vai ser aproveitado na sua instituição de saúde.

Agora que você já sabe como escolher cardioversor, pode procurar um equipamento que seja mais interessante para a sua clínica ou hospital.

Lembre-se de buscar por um fornecedor de confiança, com experiência e credibilidade no mercado, e que ofereça toda a assistência técnica e a manutenção adequadas, tanto na aquisição quanto no aluguel do equipamento.

Conseguimos tirar as suas dúvidas sobre como escolher cardioversor? Quer saber mais sobre equipamentos hospitalares? Então, veja também quais são os principais tipos de desfibriladores!

Você também pode gostar

Deixe um comentário