Conheça os principais tipos de desfibriladores existentes

Conheça os principais tipos de desfibrilador existentes
6 minutos para ler
Powered by Rock Convert

Existem alguns tipos de desfibriladores no mercado, sendo que cada um deles conta com funções específicas e é recomendado para situações de emergência. Esse equipamento é importante para normalizar a atividade elétrica do coração e, quando é usado de forma eficiente, pode salvar vidas.

Por isso, é importante conhecer quais são os principais tipos de desfibriladores e qual deles é mais compatível com o seu perfil de uso.

Se você tem interesse em entender mais a respeito de cada modelo de desfibrilador e quais são as características de cada um, continue a leitura!

Quais são os tipos de desfibriladores?

Para você conhecer mais sobre cada modelo, selecionamos algumas informações úteis sobre as particularidades de cada um e em quais locais eles são mais utilizados. Conheça!

Desfibrilador externo automático

Conhecido como DEA, o desfibrilador externo automático é bastante prático e, geralmente, está presente em locais com grande circulação de pessoas, como shoppings, aeroportos e assim por diante. Já estando presente em alguns estados, legislação sobre a obrigatoriedade da presença do equipamento

Com isso, os profissionais da área de saúde que têm um conhecimento básico sobre as funções do desfibrilador podem manuseá-los e realizar um atendimento quando necessário.

Dessa forma, toda a assistência é automatizada, sendo que a análise e o procedimento são realizados pelo aparelho de maneira rápida e eficiente. Ao usá-lo, a pessoa que está ajudando a vítima recebe instruções para fornecer o melhor atendimento e o mais rápido possível.

Desfibrilador implantável

Outro tipo é o desfibrilador implantável, que, como o próprio nome sugere, é posicionado internamente, assim como é feito o uso do marcapasso. Se ocorrer alguma deficiência ou alteração na corrente elétrica do coração, o equipamento identifica o problema e gera o choque para suprir a necessidade.

Ele é usado em pacientes que têm cardiopatia, uma doença que afeta a estrutura do coração e, por isso, precisa ser acompanhada de perto por médicos especialistas. O desfibrilador é implantado por meio de cirurgia e tem, em média, uma vida útil de cinco anos.

Desfibriladores cardioversores

Esse modelo geralmente é encontrado em hospitais, já que o uso deles requer supervisão médica. Ou seja, só podem ser utilizados por um profissional da área em casos de emergência, de cirurgia ou outros procedimentos hospitalares. Em casos assim, o especialista identifica a necessidade de usar o desfibrilador e define a quantidade de joules para cada paciente.

Outra diferença em relação aos desfibriladores citados anteriormente é a possibilidade de verificar mais detalhes do quadro clínico da pessoa. Por meio do monitor presente no equipamento, é possível acompanhar o ritmo cardíaco de maneira mais detalhada, como a curva do ECG (eletrocardiograma).

Qual tipo de desfibrilador preciso ter em minha clínica?

O desfibrilador externo automático (DEA) pode ser utilizado em clínicas de pequeno a médio porte, já que suprem as necessidades instantâneas do paciente e consegue oferecer um atendimento eficiente e rápido, sem a presença de um médico no local.

Com uma interface bastante simples e intuitiva, o manuseio pode ser feito tanto por colaboradores da clínica que contam com uma formação básica sobre o equipamento quanto por médicos. Afinal, ele é automatizado e oferece instruções sobre cada procedimento realizado durante a assistência.

Então, para um suporte mais ágil em clínicas, o indicado é desfibrilador externo automático, que oferece o resgate para a vítima o mais rápido possível até que ela seja encaminhada a um hospital.

Powered by Rock Convert

Por outro lado, em hospitais e clínicas de grande porte onde a probabilidade de ocorrências é maior, é recomendado o uso de desfibriladores manuais.

Como comprar desfibriladores de qualidade?

As principais dúvidas dos gestores dizem respeito à aquisição de equipamentos médicos. Afinal, para garantir qualidade em todos os procedimentos clínicos é essencial contar com empresas que forneçam esses aparelhos para prestar um atendimento eficaz ao público.

Nesse sentido, alguns aspectos precisam ser observados na hora da compra, a fim de não prejudicar o desempenho do estabelecimento durante a assistência ao paciente.

Acessórios e Insumos

Um ponto que precisa ser avaliado é o valor dos insumos utilizados durante a vida útil de um desfibrilador. Pás adesivas, eletrodos e outros recursos são usados e, por isso, antes de realizar a aquisição, verifique também o preço desses itens.

Há equipamentos com um valor mais acessível, mas os insumos costumam apresentar um valor elevado.

Então, certifique-se do custo-benefício do desfibrilador por contabilizar também esses aspectos. Esse critério ajudará você a compreender qual é o equipamento mais adequado para sua clínica, levando em conta não só o uso dele, como também de seus insumos.

Reputação do Fabricante

Leve em conta a reputação da empresa frente ao mercado, já que ter um bom equipamento é fundamental para a segurança dos pacientes e profissionais.

Além disso, é importante considerar a marca do desfibrilador, pois é um produto que tem grande importância no suporte ao público e também conta com boa durabilidade.

Por isso, opte por aquelas que são reconhecidas no mercado e já têm garantia de qualidade. Assim, você terá mais chances de comprar um equipamento útil e eficiente para o dia a dia de sua clínica.

Saber quais são os tipos de desfibriladores é importante para compreender quais modelos são mais indicados e úteis para a sua clínica.

Afinal, como vimos, cada modelo supre uma necessidade específica, sendo que o DEA é usado com frequência em locais como shoppings, estádios e aeroportos. Além disso, podem ser implementados em estabelecimentos clínicos e manuseados por pessoas que tenham formação básica sobre o assunto.

Escolher um equipamento de qualidade e que seja eficiente na hora de prestar um atendimento rápido é essencial. Portanto, opte por desfibriladores confiáveis e que sejam reconhecidos positivamente no mercado.

Esperamos que essas dicas tenham ajudado você a entender mais sobre os tipos de desfibriladores, assim como seu funcionamento e suas características.

Gostou deste artigo? Entre em contato conosco e saiba como podemos ajudar você a garantir bons desfibriladores em sua clínica!

Você também pode gostar

Deixe um comentário