Como está sendo o uso de desfibriladores em academia?

Como está sendo o uso de desfibriladores em academia
4 minutos para ler
Powered by Rock Convert

A prática de atividade física sempre faz bem para a saúde. E a presença de desfibriladores em academia está diretamente relacionada aos cuidados com o organismo também, sabia?

Embora praticantes de exercícios sejam mais saudáveis, há quem possa sofrer paradas cardíacas sem sequer saber de alguma condição prévia. Estar devidamente preparado para esse tipo de situação é essencial para estabelecimentos e seus alunos.

Para ajudá-lo a entender melhor sobre o assunto, reunimos as informações a seguir. Confira!

Entenda por que é importante ter desfibriladores em academia

Durante um exercício, os batimentos cardíacos aumentam naturalmente. Isso faz com que o coração bata mais rápido durante uma corrida, por exemplo. Em geral, isso é algo positivo, pois estimula o sistema cardiovascular. Entretanto, há situações em que esse estresse corporal é afetado por algum tipo de arritmia ou problema do coração.

Embora a maioria das academias exijam exames prévios antes da matrícula, muitas dessas condições podem não ser identificadas. É por isso que um desfibrilador externo automático, também conhecido como DEA, pode fazer uma imensa diferença nesses ambientes.

O que acontece é que o tempo de reanimação é essencial no caso de uma parada cardíaca ou de um mal súbito. Ter que esperar por um atendimento especializado comprometeria muito as chances de sobrevida no caso de um incidente como esse.

Saiba como é a legislação relacionada aos DEAs

Apesar de ser considerado essencial em ambientes com grande movimentação, o DEA não é obrigatório em todos os locais. Na verdade, há diferentes leis e decretos na maior parte das cidades. No Mato Grosso do Sul, por exemplo, a presença do aparelho é obrigatória em academias desde 2018. Já em São Paulo, a regra é válida apenas para estabelecimentos de maior porte.

Existe, atualmente, apenas um projeto de lei federal sobre o assunto. Segundo o Conselho Regional de Educação Física PA, o projeto nº 6649/2013 propõe que todas as academias tenham um posto médico com materiais e profissionais capacitados. E esse é, por sinal, um detalhe importante.

Além da presença de aparelhos desfibriladores em academia, é importante estar bem preparado para a sua utilização. Embora tenha um funcionamento intuitivo, os DEAs demandam algum treinamento prévio. Não é necessário ter um especialista em ressuscitação cardiopulmonar, por exemplo. Entretanto, é importante que alguém da equipe saiba como manusear o desfibrilador corretamente.

Veja como escolher o desfibrilador ideal para a sua academia

Para facilitar esse processo, a dica é optar por desfibriladores do tipo DEA. O modelo é o mais indicado para pessoas que tenham apenas uma noção básica de salvamento. Isso porque o próprio equipamento envia instruções diretas sobre seu uso. E isso inclui, até mesmo, indicações de como conectar os eletrodos no paciente.

Outros detalhes importantes na escolha do desfibrilador para academia são:

  • bateria eficiente — um equipamento sem uma bateria com duração eficiente pode comprometer o atendimento rápido;
  • facilidade de transporte — cada segundo conta em um socorro, portanto, o aparelho precisa ser leve e fácil de ser transportado.

Vale dizer, ainda, que um equipamento desfibrilador dificilmente vai exigir muitas trocas ao longo do tempo. Portanto, avaliar o custo-benefício é indispensável. Uma marca já consolidada no mercado tende a ser mais durável e oferecer o melhor suporte. Da mesma forma, a loja também merece atenção. Busque sempre empresas que tenham experiência e cuidado com normas e exigências hospitalares.

Em resumo, a presença de desfibriladores em academia ainda não é definitiva. Há estados que estabelecem a sua obrigatoriedade, enquanto outros ainda legislarão sobre o tema. Mesmo assim, quando se trata da saúde dos alunos de um estabelecimento, sua aquisição tende a ser essencial, pois pode salvar vidas.

Se você ainda não está certo sobre o assunto, aproveite para ler o artigo “Desfibrilador cardíaco: onde é obrigatório tê-lo” e saiba mais sobre a importância desse equipamento!

Você também pode gostar

Deixe um comentário