Entenda agora o que é e como utilizar um oxímetro de pulso!

Entenda agora o que é e como utilizar um oxímetro de pulso!
9 minutos para ler

O uso de equipamentos médicos é essencial para a maioria dos atendimentos, e o oxímetro de pulso está na lista de aliados para um tratamento rápido e eficaz. Além disso, o aparelho conta com funções importantes também para quem pratica atividades físicas ou tem doenças crônicas.

Usado diariamente em clínicas e centros cirúrgicos o oxímetro é parte, inclusive, de processos de triagem de pacientes. Por meio da oxigenação sanguínea, é possível começar a estabelecer um diagnóstico e sua gravidade. Entenda mais sobre o oxímetro, como funciona esse aparelho nos tópicos que apresentamos a seguir!

O que é um oxímetro de pulso?

Trata-se de um equipamento não invasivo que determina a quantidade de oxigênio no sangue. Presente em monitores multiparamétricos e também em modelos portáteis, esse equipamento faz o controle respiratório do paciente, com resultados imediatos.

Na prática, isso significa que um profissional consegue saber quanto da capacidade do pulmão está comprometida assim que alguém chega ao pronto-socorro, por exemplo. O que, em tempos de pandemia, por exemplo, acaba sendo uma informação vital para avaliar o avanço do Covid-19.

Além disso, aqueles que enfrentam algumas doenças como embolia pulmonar, câncer de pulmão, insuficiência respiratória, DPOC e fibrose pulmonar também se beneficiam muito do uso do aparelho.

Essas enfermidades fazem com que a taxa de oxigênio seja mais baixa. E como uma queda pode prejudicar o funcionamento cerebral e cardíaco, é preciso fazer um acompanhamento desses níveis. A oximetria atua na prevenção e no acompanhamento da situação respiratória e ao lado de outros procedimentos, faz parte do atendimento inicial básico.

Oxímetro, como funciona exatamente?

Cabe ao oxímetro determinar se as hemoglobinas estão realizando o transporte de oxigênio adequadamente. Para isso, o aparelho tem sensores que trabalham a partir de espectrofotometria. Isso significa que o equipamento utiliza a luz para determinar a saturação.

Na prática, o que acontece é que o sensor ilumina a pele e mede as mudanças de oxigenação e desoxigenação, usando comprimento de onda de 660 nm (vermelho) e 940 nm (infravermelho). O resultado é a proporção de absorção entre esses comprimentos, estabelecendo a saturação.

De maneira simplificada, seria como se o tom de vermelho do sangue indicasse quanto oxigênio está presente. O que o oxímetro faz é uma interpretação dessa cor e em poucos segundos é possível descobrir a proporção de saturação.

Os níveis de saturação de oxigênio — O2sat ou SaO2 — representam a quantidade transportada em relação à capacidade máxima. O ideal é que o O2sat fique em torno de 89%.

Quando menos de 80% das células vermelhas estiverem fazendo esse transporte, significa que há alguma deficiência corporal e indica que os pulmões ou células sanguíneas podem não estar trabalhando direito.

Em resumo o oxímetro funciona como um meio de descobrir o que se passa no organismo em relação à respiração. E para ajudar a determinar qual a enfermidade a enfermidade, os equipamentos costumam medir também a frequência cardíaca.

Embora sejam informações básicas, em conjunto com o quadro clínico e demais sintomas apresentados pelo paciente, elas podem ser determinantes para iniciar e acompanhar o diagnóstico.

Quem pode usar um oxímetro?

Ainda que o processo de medição do oxímetro passe por conhecimento técnico, o dispositivo é de fácil manuseio. Além de médicos e especialistas, os oxímetros podem ser utilizados também por:

  • enfermeiros — no contato inicial, no acompanhamento do paciente e para determinar a gravidade de sua situação;
  • educadores físicos — como importante parâmetro para determinar o condicionamento do aluno;
  • dentistas — com intenção de monitorar pacientes durante procedimentos;
  • fisioterapeutas — para avaliar e acompanhar a capacidade respiratória de seus pacientes durante as sessões;
  • cuidadores — de forma a saber quando procurar ajuda para indivíduos que sofrem de doenças respiratórias crônicas.

Com diversos modelos, existem os mais simples, de dedo ou punho, e outros com configurações mais detalhadas. Alguns modelos medem meta-hemoglobina e compostos relacionados com a inalação de fumaças de incêndio, por exemplo.

Esses adicionais são frutos de uma tecnologia avançada, podendo significar um valor mais elevado e são interessantes para unidades de terapia intensiva e tratamentos complexos. Já para atendimentos de rotina, um modelo básico costuma ser suficiente.

Quais cuidados tomar na hora de utilizar o oxímetro de pulso?

Qualquer que seja o equipamento escolhido, é importante fazer uma manutenção preventiva cuidadosa. Mesmo que seja de origem e marca reconhecidas, esse tipo de aparelho precisa ser calibrado pelo menos uma vez ao ano para que os resultados sejam fiéis à realidade.

É preciso, ainda, tomar cuidado com sua fonte de energia. Testar e trocar baterias regularmente, no caso dos portáteis, é indispensável. Já a substituição de sensores pode ser realizada na DIMAVE. O suporte técnico especializado precisa ser prioridade.

Já durante o uso em si, é necessário levar em consideração o ambiente. Em unidades cirúrgicas, outros aparatos podem influenciar a leitura. A alta frequência emitida por um bisturi elétrico é um exemplo. Portanto, o mais indicado é investir em versões com isolamento em seus circuitos.

Para o uso em bebês neonatos, o ideal é investir em um oxímetro de pulso específico para baixa perfusão. Essa é uma característica difícil de captar por equipamentos mais simples. Portanto, uma tecnologia mais avançada será mais confiável em seus resultados. Assim, é preciso tomar cuidado para ter sempre o aparelho mais adequado para cada situação.

Outros pontos importantes são o padrão e a operacionalidade dos equipamentos. Um atendimento de excelência precisa de produtos de alto nível e em sua melhor capacidade de funcionamento. Atualizar sensores e efetuar a calibragem regularmente é obrigatório.

Qual é a importância desse equipamento?

Nem todo mundo precisa de um oxímetro, então como funciona a prescrição desse aparelho? A resposta a essa pergunta é relativamente simples. Algumas pessoas podem correr o risco de passarem por períodos de baixa oxigenação, durante a prática de certas atividades físicas, por exemplo.

Nesses momentos, ter um oxímetro pode salvar a sua vida, ao possibilitar que você saiba exatamente o momento de aumentar o fluxo de oxigênio. Quando a oxigenação no sangue está abaixo do nível ideal, o organismo fica sobrecarregado. O cérebro e o coração são os órgãos que mais podem sofrer com essa baixa saturação e resultar em desmaios ou colapsos.

O oxímetro contribui ainda para o diagnóstico precoce, ao indicar se há algum problema respiratório que mereça atenção imediata. Em casos de emergência, informações de O2sat e batimentos cardíacos são determinantes para estabelecer a ordem de atendimento.

Para quem sofre com doenças crônicas relacionadas ao sistema respiratório é essencial acompanhar os níveis de oxigenação para entender como a enfermidade está evoluindo. Da mesma forma, funciona como um importante parâmetro para descobrir como anda o condicionamento físico do paciente Um BPM descontrolado ou uma baixa perfusão servem como alerta para a necessidade de consultar um médico especializado.

O modelo de pulso também é um equipamento essencial para clínicas e instituições em contato constante com pacientes. A supervisão dos níveis de oxigenação do sangue funciona como um importante ponto de partida para diagnósticos.

Como escolher o melhor oxímetro para comprar?

Se você é uma pessoa que necessita da oxigenoterapia, sabe da importância de investir em um bom oxímetro. Entretanto, se tudo aconteceu repentinamente e está confuso decidir qual o melhor aparelho em meio a tantas opções, nós podemos ajudar. É só continuar lendo o texto que segue para descobrir algumas características básicas de um oxímetro de qualidade!

Verifique se o aparelho é certificado pela Anvisa

A Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária é o órgão responsável por promover a saúde no Brasil, regulando e fiscalizando medicamentos, alimentos, cosméticos e serviços. É ela que realiza testes e se certifica de que os produtos são seguros para uso.

Por isso, para a sua segurança, sempre observe se o produto traz aprovação da Anvisa. Afinal, para conquistar esse selo é necessário que o oxímetro passe por um rigoroso controle de qualidade coordenado por especialistas.

Considere o tipo de bateria

Se você precisa usar seu oxímetro de forma contínua, é altamente recomendado dar atenção à durabilidade da bateria e seu modo de recarga. Os modelos mais modernos desligam depois de um tempo, quando inativos, para aumentar a duração da carga. Contudo, não se esqueça de procurar pela autonomia do aparelho e observar se ela atende às suas necessidades.

Avalie o preço do aparelho

Na hora de pensar sobre o oxímetro, como funciona a questão do preço? Afinal, quem sofre de alguma enfermidade, por exemplo, tem muitos custos adicionais e nem sempre podem investir em um produto muito dispendioso.

A média de valores de um oxímetro prático e mais simples varia em torno de R$ 199,00 a R$ 400,00. Já as versões mais completas usadas em clínicas e hospitais apresentam valores em torno de R$ 2.500,00. Assim, escolha aquele modelo com um bom custo-benefício para seu perfil e que responda bem às suas demandas e gosto pessoal.

Escolha um modelo confortável de usar

Seu conforto também deve ser considerado na hora de comprar. O encaixe do oxímetro no seu dedo é muito importante para uma boa leitura de dados do seu equipamento. Se ele não se adequar corretamente, os valores podem apresentar divergências.

Um bom oxímetro pode ajudar você a controlar uma série de doenças e ainda realizar o diagnóstico precoce de muitas outras. Na luta contra o Covid-19, por exemplo, ele será um grande aliado para identificar complicações, antes que seja tarde demais. Portanto, na hora de escolher seu equipamento, se certifique de encontrar uma empresa confiável e de investir na sua saúde.

Você já sabia tudo isso sobre o oxímetro? Entre em contato conosco e fique por dentro de nossas opções!

Você também pode gostar

Deixe um comentário