Estetoscópio, saiba mais a respeito

Estetoscópio, saiba mais a respeito
8 minutos para ler
Powered by Rock Convert

Estetoscópio, o que é e para que serve esta importante ferramenta. Neste artigo iremos falar um pouco de uma das principais ferramentas utilizadas por profissionais da saúde. Vamos abordar:

O que é um Estetoscópio?

O estetoscópio é um instrumento bastante utilizado na medicina. Não por acaso, ele é uma das ferramentas principais dos profissionais que atuam nessa área.

Para que serve a ferramenta

O estetoscópio é usado por profissionais da área médica para realizar o procedimento da ausculta. A ausculta é termo médico que significa “escutar”.

Ou seja, é possível dizer que o estetoscópio possibilita detectar qualquer tipo de ruído vascular, respiratório ou de outra origem em qualquer parte do organismo.

É possível, afirmar, portanto, que ele é um aparelho de grande importância para a realização de exames e diagnósticos.

Qual a constituição do Estetoscópio?

O estetoscópio é constituído por três partes essenciais. Um deles é a peça auricular, que podem também ser chamada de oliva. Essa peça, geralmente feita de silicone, conta com um formato anatômico que a possibilita se adaptar com mais facilidade ao canal auditivo.

Outra peça básica do estetoscópio são o(s) tubo(s) responsáveis por conduzir o som. Por meio deles, o médico consegue detectar os sons durante a realização de um exame.

E, por fim, outro elemento fundamental do estetoscópio é a peça auscultatória. Essa é uma peça metálica colocado em contato com o corpo do paciente, constituída por uma campânula, ou sinete, e pelo diafragma. O sinete permite transmitir com uma melhor precisão os ruídos de baixa frequência, como, por exemplo, as batidas do coração.

Já o diafragma, por sua vez, possibilita transmitir com mais nitidez os sons de frequência mais alta, tais como os do pulmão e do abdômen.

Hoje em dia já é possível encontrar também os estetoscópios digitais. Quando um estetoscópio digital entra em contato com o paciente, os batimentos e qualquer outro tipo de som do corpo são transmitidos para o sensor do equipamento, transformados em sinais digitais e assim são registrados em uma tela.

Por mais sensível que seja o som, este tipo de equipamento tem a capacidade de absorver esta informação e indicá-la ao examinador. Sendo assim, até mesmos os ínfimos sopros nos batimentos cardíacos, ou outros sons que até então tinham a capacidade de serem identificados apenas com o procedimento auscultatório, graças ao estetoscópio digital podem ser totalmente detectados por meio de gráficos.

A origem e a usabilidade do estetoscópio

O estetoscópio é um artefato médico que foi originado no século XIX, mais precisamente no ano de 1816, no continente europeu. Esse instrumento foi desenvolvido na França, em Paris, pelo médico francês René Laennec. Na época, Laennec atuava no hospital Necker, na capital francesa.

Os primeiros modelos de estetoscópio ainda transmitiam um som ainda muito baixo e com pouca nitidez. No entanto, com o passar dos anos o aparelho foi sendo aperfeiçoado até chegar aos que temos hoje em dia.

O estetoscópio também é conhecido pelo nome de fonendoscópio. Vale salientar que ele e é utilizado por vários profissionais que atuam no segmento da saúde, tais como médicos e enfermeiros. Sendo assim, não é exagero afirmar que o estetoscópio é de grande relevância para a realização de vários exames, possibilitando verificar a normalidade dos ruídos internos de um paciente, avaliando assim o ritmo da sua respiração e dos seus batimentos cardíacos.

Veterinários também fazem uso do estetoscópio com o intuito de detectar qualquer tipo de problema em animais.

Os benefícios do estetoscópio

É possível aferir que auscultando apenas o coração e o pulmão de um paciente, há a capacidade do médico identificar alguns transtornos bem comuns, tais como a estenose aórtica, a taquicardia, a pneumonia, o defeito do septo interventricular, enfisema pulmonar, bem como outros problemas.

Já os sons corporais que o estetoscópio é capaz de detectar, estão os ruídos adventícios, os ruídos hidroaéreos e, por fim, as bulhas cardíacas.

Os ruídos adventícios são os sons pulmonares que podem ser pleurais ou broncopulmonares. Ao utilizar o estetoscópio e identificar ruídos anormais referentes ao aparelho respiratório do paciente, o médico pode diagnosticar então problemas como as vias aéreas obstruídas, asma, hiperventilação, existência de secreção, entre outros problemas.

Os ruídos hidroaéreos correspondem ao processo de movimentação do tubo digestivo. Já as bulhas cardíacas são os sons que o coração produz e são transmitidos ao tórax.

Ao todo são quatro bulhas, a primeira, por exemplo, corresponde ao som da Sístole Cardíaca, já a segunda bulha corresponde ao ruído da Diástole Cardíaca. A terceira bulha, por sua vez, corresponde a um ruído comum em crianças e adolescentes e pode ser detectado no início da diástole.

Caso esta bulha demonstrar ser audível em uma pessoa de idade mais avançada, isso é o indício de algum tipo de transtorno de saúde. Já a quarta bulha é um ruído raro, porém pode surgir em crianças que estão bem de saúde. Além disso ela surge depois da contração atrial. Caso seja audível em um indivíduo adulto, ela denota algum tipo de transtorno.

Por meio do estetoscópio esses diferentes sons podem ser devidamente detectados, possibilitando que o médico possa assim identificar possíveis problemas de saúde.

A utilização do estetoscópio

Os profissionais de saúde possuem prática para usar o estetoscópio de maneira correta, captando assim os ruídos que irão possibilitar a realização de um diagnóstico.

Durante o procedimento, os médicos efetuam o encaixe perfeito das peças auriculares aos seus respectivos ouvidos, propiciando assim um isolamento de som ambiente.

Caso o objetivo seja escutar os ruídos provenientes do coração e do abdômen, o paciente se posiciona deitado. Já caso o intuito seja escutar o pulmão, o paciente se posiciona sentado.

Vale salientar também que o diafragma, que é a parte plana do auscultador, denota uma melhor performance para a auscultação de sons caracterizados como agudos ou médios. Por outro lado, o sino, que corresponde à parte mais arredondada do auscultador, apresenta uma capacidade melhor para detectar ruídos de sonoridade mais grave.

O estetoscópio deve ser colocado sobre a pele nua do paciente para que, assim, não seja captado nenhum tipo de ruído do tecido da roupa, atrapalhando a melhor audição.

Quando o objetivo é ouvir o coração, o paciente deve se manter relaxado e respirar em um ritmo normal, assim o médico poderá diferenciar os ruídos sistólicos e diastólicos.

Caso o objetivo seja ouvir o pulmão, o paciente deve estar sentado com a coluna devidamente ereta e assim respirar normalmente. Ao posicionar o estetoscópio no peito e nas costas do paciente, é possível captar os sons do lobo superior e inferior dos pulmões.

A respiração deve ser bem nítida. Caso o médico perceba ruídos como roncos, estertores, estridores e sibilos, há indícios de que o pulmão possa conter alguns fluídos, ou também uma redução do fluxo de ar ocasionada pelo inchaço dos pulmões.

Para ouvir os sons abdominais, é preciso posicionar o diafragma do estetoscópio na barriga nua do paciente. É necessário escutar todos os quadrantes da região da barriga um de cada vez.

A maioria dos ruídos que são escutados na barriga do paciente são apenas sinais normais da digestão, porém caso nada pode ser ouvido, há então a possibilidade de que algo esteja bloqueando o estômago do paciente ou que ele esteja constipado. Caso o problema seja uma constipação, os sons retornam com o tempo de maneira gradual.

Além disso é importante salientar que os sons considerados agudos podem ser o indício de uma possível obstrução no intestino do paciente. Já uma quantidade elevada de sons acompanhadas por silêncio podem ser o indício de uma ruptura ou, até mesmo, uma necrose no tecido do intestino.

Os tipos de estetoscópios

Os estetoscópios acústicos são os mais comuns e, por isso, os mais conhecidos pela maioria das pessoas. Há também o estetoscópio eletrônico, que tem a capacidade de ampliar eletronicamente os sons do corpo humano.

Já o estetoscópio nanoeletrônico conta com uma capacidade enorme de identificar sons de frequências demasiadamente baixas.

Seja qual for o tipo, é fato que o estetoscópio é atualmente um dos mais importantes instrumentos para a realização de exames, sendo a ferramenta adequada para detectar vários tipos de transtornos de saúde.

Veja mais a respeito de outros equipamentos médicos acessando este link

Você também pode gostar

Deixe um comentário