Ética médica: 3 pontos que você precisa parar para refletir

Ética médica 3 pontos que você precisa parar para refletir
5 minutos para ler

A saúde é vista como algo positivo no mundo inteiro, e médicos estão sempre dispostos a melhorar o estado dos pacientes. Para que os cuidados aconteçam da melhor forma, é preciso que os profissionais sigam alguns princípios da ética médica. Isso desde a chegada até a saída dos pacientes do ambiente hospitalar.

Médicos são frequentemente treinados para entender como devem cuidar não apenas da saúde física dos pacientes, mas também psicológica. Sentir-se bem acolhido ajuda durante todo o processo de internação e recuperação. A seguir, confira alguns pontos específicos para repensarmos sobre o tema!

Entenda a importância da ética médica na sociedade

Ética é um assunto tão antigo quanto a raça humana. É uma área da filosofia moral que está relacionada a códigos destinados a classificar e recomendar comportamentos adequados. Então, a ética médica tem a ver com o que é certo e errado em diversas ocasiões clínicas e/ou curativas.

Não é esperado que médicos sejam especialistas em ética médica para ter conversas educadas e construtivas nos consultórios. Essas normas de educação fazem parte da formação do caráter humano dos cidadãos — como nos preocupamos e respeitamos o próximo, independentemente de quem for.

Tais questões são indispensáveis à medicina pela relevância que a saúde e seus impactos apresentam na vida das pessoas. Tudo isso deve ser bem avaliado para aperfeiçoar a atuação profissional dos médicos.

Reflita sobre 3 pontos sobre ética médica

Agora que você sabe um pouco mais sobre ética médica, confira três pontos específicos para refletir a respeito!

1. Sigilo médico: garantia dos dados pessoais de pacientes

O sigilo médico é constituído por um conjunto de normas que reduz o acesso às informações compartilhadas entre o indivíduo e profissionais de saúde. A rigor, tudo o que for conversado no atendimento deve ser mantido em segredo. Isso ajuda na boa comunicação, aumenta a confiança do paciente, auxilia em cuidados e tratamentos.

Na visita a um novo consultório médico, é possível decidir se você quer compartilhar informações de antigos prontuários médicos. Ao permitir o acesso aos registros, é dado o consentimento por escrito para a troca de informações relevantes, quando necessária.

2. Uso das redes sociais: cuidados no mundo virtual

Durante consultas, médicos e pacientes podem trocar informações como número de WhatsApp ou redes sociais. A tecnologia permitiu que pacientes e médicos se comuniquem e compartilhem informações rapidamente com muita facilidade.

Quando se trata de ética médica, também é preciso tomar cuidado com as publicações online. Criar perfis em redes sociais acaba resultando na exposição dados pessoais, mas é importante estar ciente de que a privacidade do paciente deve ser mantida. É preciso evitar a publicação de qualquer informação que facilite a identificação do paciente.

Nas redes sociais, médicos podem usar configurações de privacidade para proteger o máximo de informações possíveis, inclusive conteúdos de ordem pessoal, como fotos e vídeos com família e amigos. A boa conduta na internet é fundamental para assegurar a confiança dos pacientes e cuidar de sua saúde psicológica.

Quando médicos conversam ou solucionam dúvidas de pacientes no Instagram, Twitter, Facebook ou em outra rede, precisam avaliar o nível de exposição. Talvez seja interessante manter um perfil público e um privado, somente para os amigos mais próximos. Também vale a pena revisar o conteúdo publicado para evitar problemas com excesso de exposição.

3. Equidade: prioridade no atendimento para quem precisa

Equidade significa justiça social. Na saúde, esse termo tem sido ampliado, tratando da ausência de disparidades de saúde socialmente injustas. O tema abrange os grupos marginalizados (pessoas que estão em desvantagem social) e envolve as condições das famílias (se moram em comunidades e onde trabalham).

Vale observar que a saúde é essencial para o bem-estar de todos e que todo indivíduo merece um excelente bem-estar físico e mental — o que tem reflexo também nos atendimentos hospitalares.

Quando alguém precisa de atendimento prioritário, independentemente de sua situação socioeconômica, trata-se de um caso de equidade na saúde. É fundamental que essa pessoa seja atendida o mais rápido possível, ou seja, tendo prioridade na fila da emergência.

A ética médica é necessária para guiar relações respeitosas no ambiente hospitalar, e o avanço das tecnologias trouxe alguns aspectos que médicos e enfermeiros precisam prestar atenção. Não era comum, por exemplo, tratarmos sobre uso de redes sociais no consultório para manter contato com médicos Por isso, é imprescindível se informar para compreender como se portar diante dessa e outras situações relacionadas à ética médica.

Seus amigos também podem gostar dessas informações. Aproveite que está no blog e compartilhe este post nas suas redes sociais!

Você também pode gostar

Deixe um comentário