Como fazer a manutenção de ultrassom da melhor forma?

Como fazer a manutenção de ultrassom da melhor forma
6 minutos para ler

Investir nos cuidados com os equipamentos médicos é essencial, principalmente quando falamos sobre a manutenção de ultrassom. Considerado o imenso avanço na medicina, esse aparelho é capaz de contribuir em diferentes diagnósticos. Portanto, ele precisa ser capaz de dar resultados fidedignos em todas as suas utilizações.

Para esclarecer esse e outros pontos relacionados à manutenção de ultrassom, elaboramos este post. Vamos abordar como a manutenção deve ser feita para garantir bons resultados. Confira a seguir!

Entenda o funcionamento do ultrassom

Presente tanto em clínicas de diagnóstico por imagem quanto em hospitais, o aparelho de ultrassom atua sem radiação ionizante, como em outros aparelhos. Seu funcionamento se baseia na interação entre som e tecidos. Basicamente, o equipamento recebe a informação e a transforma em imagem.

Para obter essa imagem, o aparelho registra as ondas ultrassônicas que retornam em forma de ecos quando atravessam os órgãos. Sua frequência de som está acima da variação de amplitude de 20 e 20.000 hertz ouvida pelo ser humano. Dessa forma, o ultrassom precisa estar devidamente calibrado para fazer a interpretação correta.

Quando avaliado por um especialista, o resultado é capaz de ajudar em diferentes diagnósticos. O aparelho não é invasivo e transmite, inclusive, imagens tridimensionais com ajuda do efeito Doppler, por exemplo.

Em geral, suas aplicações acontecem nos seguintes exames:

  • obstétricos: indispensável durante a gestação para avaliar a placenta e o líquido amniótico;
  • mamas: contribui para analisar o tecido e a glândula mamária, a fim de identificar a presença de nódulos;
  • transvaginal: serve para avaliar ovário, útero e endométrio;
  • próstata: detecta doenças e alterações locais, além de fazer parte do diagnóstico de câncer;
  • abdômen: serve para identificar diferentes doenças em órgãos como fígado, baço, pâncreas, bexiga, rins entre outros.

Vale mencionar que o ultrassom também é capaz de fornecer imagens da artéria aorta, veia cava inferior e carótidas. Como vimos até aqui, a manutenção de ultrassom é uma forma de garantir a confiabilidade de diferentes tipos de diagnósticos.

Saiba os riscos de utilizar um ultrassom desajustado ou com defeito

O equipamento médico devidamente calibrado é a principal segurança de médico, paciente e instituição. Para quem está doente, é a chance de obter a cura ou o melhor tratamento possível. Para a equipe de profissionais e o local de atendimento, é a garantia de afastar qualquer erro médico.

Sem a manutenção de ultrassom, todos os lados ficam mais vulneráveis nessa equação. Há risco tanto de parada não programada quanto de diagnósticos incorretos.

Uma ultrassonografia com aparelho falho mostra, por exemplo, imagens menos nítidas. Nesse caso, é necessário repetir os exames, o que compromete o gerenciamento de custos com equipe, energia, tempo, e inclusive retrabalho.

Além disso, o paciente que não tem confiança em um resultado, também não deposita confiança na instituição como um todo. Assim, há consequências diretas, inclusive na imagem da clínica ou hospital.

É importante mencionar ainda que um equipamento subitamente paralisado representa um prejuízo imenso. É por isso que as manutenções preventivas são consideradas parte importante da gestão médica bem-sucedida. A questão é: quando fazê-las?

Aprenda quando deve ser feita a manutenção de ultrassom

Quem tem carro sabe que existe uma média de quilometragem que define o ponto exato da revisão. Ao contrário disso, para a manutenção de ultrassom, não existe uma norma fixa que sirva para todos os equipamentos.

O mais indicado, portanto, é ter um plano interno de manutenção muito claro. Esse procedimento costuma se dividir entre corretivo e preventivo. Entenda as diferenças a seguir!

Manutenção corretiva

Quando um aparelho manifesta algum tipo de falha ou erro, é preciso fazer um conserto. É aqui que entra a manutenção corretiva. Nesse caso, nem sempre é possível prever o tempo de parada.

Ainda assim, para evitar mais prejuízos, é interessante ter um plano de contingência. Contar com a ajuda de uma empresa de manutenções confiável é o primeiro passo.

Na DIMAVE, o suporte técnico oferece profissionais especializados. Dessa forma, há mais garantias de que o tempo de manutenção será otimizado, resolvendo os problemas de forma ágil.

Manutenção preventiva

Apesar de os procedimentos corretivos serem inevitáveis em alguns casos, a manutenção preventiva precisa ser prioridade. Considere, por exemplo, um ultrassom que é utilizado diariamente: é natural que aconteça algum desgaste ou desregulação interna. O que a gestão clínica precisa garantir é que essa obsolescência seja controlada e corrigida antes de causar uma falha.

O ideal é ter marcadores claros de quando as manutenções de ultrassom precisam ser feitas. Alguns critérios são:

  • horas de utilização;
  • tempo de vida e lubrificação de peças móveis;
  • quantidade de atualizações de software;
  • nível de risco para pacientes e equipe;
  • grau de prejuízo causado se ficar paralisado.

Ainda que a prevenção não costume ser o foco de muitas instituições, por gerar gastos, é nesse momento que é possível evitar custos futuros. Uma peça trocada em parada programada sempre vai levar menos tempo e dinheiro do que outra substituída com urgência.

Descubra como escolher onde fazer a manutenção

Não é raro que a escolha de suporte seja um desafio. No entanto, é uma etapa essencial para o bom andamento da instituição. Seja para manutenção do ultrassom, seja para manutenção de outros equipamentos médicos, busque sempre as seguintes características:

  • conhecimento técnico especializado;
  • experiência comprovada;
  • licenças e autorizações adequadas;
  • material de boa qualidade;
  • comunicação e retorno ágeis.

Empresas como a DIMAVE ainda oferecem treinamentos operacionais para equipamentos. Na prática, isso reduz a chance de o equipamento precisar de uma manutenção corretiva por má utilização. Assim, seu negócio conta com uma parceria mais eficiente, não apenas no caso de conserto, mas também para evitar paradas evitáveis.

Em resumo, a manutenção de ultrassom é indispensável tanto para a segurança do paciente quanto para o bom andamento da instituição. Por meio de um planejamento e bom suporte técnico, é possível garantir que o processo seja simples e seguro. O segredo está em escolher uma empresa eficiente e que ofereça um serviço de confiança e qualidade.

Entendeu como fazer a manutenção de ultrassom? Ficou com alguma dúvida? Aproveite para acessar o site da DIMAVE e entrar em contato. Nossa equipe está preparada para esclarecer suas questões!

Você também pode gostar

Deixe um comentário