Mercado de equipamentos médicos: quais as tendências?

Mercado de equipamentos médicos quais as tendências
6 minutos para ler
Powered by Rock Convert

Uma equipe médica eficiente é tão boa quanto sua estrutura permite. Com o mercado de equipamentos médicos em constante inovação, a tendência é de que estes profissionais estejam cada vez mais bem preparados. Mas o que será que devemos esperar para os próximos anos?

Embora algumas áreas sejam conservadoras ao se deparar com novidades tecnológicas, essa regra não costuma se aplicar à medicina. Por isso, a expectativa é de que tratamentos e atendimentos continuem avançando. É sobre essa esfera de avanço que vamos tratar neste artigo. Confira!

Importância do mercado de equipamentos médicos

Para uma clínica, hospital ou instituição médica, equipamentos de boa qualidade garantem um impacto positivo de diferentes formas. Quando o mercado está preparado para oferecer produtos inovadores, tanto pacientes quanto gestores só têm a ganhar.

Por meio de inovações e mecanismos de alta precisão, aparelhos avançados geram diferentes benefícios, como a otimização de tempo da equipe e de recursos hospitalares. Vale ressaltar que a performance de médicos tende a ser muito mais eficiente quando há o auxílio adequado.

Da mesma forma, uma iniciativa privada ou pública que oferte um ambiente atualizado passa mais confiança para os pacientes. Além da boa percepção estética, há a certeza de que os resultados serão mais fiéis, o que permitirá diagnósticos mais certeiros.

Esses equipamentos só chegam ao ambiente médico quando o mercado oferece o que há de melhor. No Brasil, apesar dos períodos de crise, trata-se de um nicho em expansão. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos e Odontológicos (ABIMO), o setor de produtos para saúde cresceu 72% entre 2007 e 2013 e deve continuar em ascensão. Isso porque há ainda muito espaço para muito mais inovação no ramo.

Previsões para o mercado nos próximos anos

Tratando-se do mercado brasileiro, o principal entrave de inovação costuma ser a janela entre lançamento e preço. A aceitação para produtos de alta tecnologia é alta, contudo, hospitais nem sempre apresentam condições de adotar procedimentos realizados pela inteligência artificial, por exemplo.

Instituições de ponta pisam no freio na hora de investir, mesmo sabendo que determinados produtos vão melhorar o serviço. A boa notícia é que a previsão para os próximos anos é de crescimento. Com a expectativa de importantes reformas governamentais, estados terão mais verba para a saúde, o que deve aquecer ainda mais o mercado.

Além disso, a relação entre preço e valor tem sido levada em consideração. Ainda que custe alto, a princípio, ao orçamento, equipamentos de boa procedência tendem a compensar a longo prazo. A aposta em itens duradouros faz parte das tendências.

Investimento em tecnologias remotas

O que também vai continuar crescendo é a oferta de tecnologias mais independentes e remotas. Hoje em dia, utiliza-se muito diagnóstico por imagem, cirurgias por meio de vídeo para endoscopia e exames avaliados por equipes externas. O que acontece é que o paciente passa a ficar menos tempo no hospital, com risco reduzido de complicações e infecções. A expectativa é de que as novidades priorizem essa otimização.

Powered by Rock Convert

Enquanto isso, a telemedicina anda a passos mais lentos, porém firmes. Se agora você faz um eletrocardiograma em um local, e quem emite o laudo é um médico que está em outra cidade, a tendência é de crescimento dessas centrais de médicos, por exemplo.

Em termos de vendas, desde 2017, os principais focos de importação são:

  • eletrocardiógrafos;
  • equipamentos de oxigenoterapia;
  • máquinas de raio x, tomógrafos computadorizados e equipamentos de radiografia;
  • termômetros e pirômetros.

Na próxima década, a expectativa é de que equipamentos mais avançados entrem na conta. Em hospitais em Belo Horizonte, por exemplo, instituições já estão oferecendo cirurgias robóticas. Na prática, isso significa que em pouco tempo, um médico de alto nível poderá performar procedimentos a quilômetros de distância. Essa possibilidade vai demandar peças e itens hospitalares de alta tecnologia.

Tendências do mercado de equipamentos médicos

Relatório elaborado pelo Observatório da Saúde de Santa Catarina aponta que o setor de healthcare apresenta perspectiva de crescimento em torno de 2,6 a 3,6% ao ano. Nessa conta, estão inseridos hospitais, clínicas, institutos, empresas de equipamentos médicos e planos de saúde.

Tratando-se apenas de equipamentos, os gastos com saúde no Brasil ainda estão abaixo de outros países com PIB inferior. Ainda assim, o país lidera a conta em relação aos demais integrantes da América Latina. O setor privado é o que mais impulsiona o mercado.

Entre o que deve ser consumido nos próximos anos, estão tecnologias como:

  • scanner óptico: permite diagnosticar doenças como melanoma sem a necessidade de biópsia;
  • biossensor transdérmico: facilita o tratamento de doenças como o diabetes, sem a necessidade de agulhas;
  • robôs de navegação autônoma: otimizam atendimentos remotos, verificando até mesmo prontuários e sinais vitais, sem a necessidade de intervenção humana;
  • impressora 3D: contribui para a fabricação de dispositivos e instrumentos cirúrgicos personalizados;
  • implante de válvula cardíaca: reduz a necessidade de procedimentos invasivos e mais perigosos.

Ainda que sejam apenas exemplos do que pode se popularizar no ambiente médico, os itens acima representam a nova fase dos atendimentos. O mercado de equipamentos médicos tende a se preparar para otimizar ainda mais essa nova etapa. A gestão de dados será um grande diferencial.

Saúde 4.0 com força total

Já presente em muitas discussões da área, a chamada saúde 4.0 deve ditar o tom do mercado nos próximos anos. Por meio de conceitos de Big Data, armazenamento em nuvem e digitalização de dados, os equipamentos acompanharão essa nova tendência.

Na DIMAVE, já há um cuidado intenso para acompanhar essa nova tecnologia, sem se esquecer do básico. Embora seja uma nova forma de praticar medicina, registros e certificações da Anvisa e do Inmetro são indispensáveis. É por meio dessa aprovação oficial que a confiança nos produtos é representada.

Além de permitir contatos remotos e otimizar atendimentos, o mercado de equipamentos médicos avançará em uma nova fase. A expectativa é de crescimento no mercado brasileiro, a partir de inovações e mais independência para a equipe médica.

Para conhecer mais os materiais de alta tecnologia e suas funcionalidades, entre em contato com a DIMAVE. Teremos o maior prazer em apresentar as inovações que fazem parte do nosso portfólio!

Você também pode gostar

Deixe um comentário