Programa Nacional de Segurança do Paciente: o que você precisa saber sobre o assunto

Programa Nacional de Segurança do Paciente o que você precisa saber sobre o assunto
9 minutos para ler

Foi no ano de 1999, que o Institute of Medicine (IOM) divulgou um relatório chamado: “Errar é Humano: Construindo um Sistema de Saúde Mais Seguro” referindo-se pela primeira vez sobre a importância da segurança do paciente.

A partir dessa data, a temática sobre a segurança do paciente recebeu mais destaque. Esse relatório do IOM se baseou em duas pesquisas que usaram o termo evento adverso como um dano causado pelo cuidado à saúde e não pela doença que o paciente tinha.

Outros estudos realizados em países como Canadá, Inglaterra e Brasil, chegaram à mesma conclusão que, em média, 10% dos pacientes internados sofrem algum tipo de evento adverso e que desse percentual, 50% são acontecimentos evitáveis.

No Brasil, por meio da Portaria no 529 de 1º de Abril de 2013, foi instituído o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP) que tem por finalidade incentivar iniciativas que visam contribuir para a diminuição dos riscos e danos ao paciente, refletindo na melhoria da atenção prestada nos serviços de saúde.

Elaboramos este artigo para você, com o propósito de enfatizar a importância sobre esse assunto que se tornou um desafio para os profissionais de saúde. Continue conosco e confira!

Objetivo do PNSP

A classificação Internacional de Segurança do Paciente elaborada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), definiu que os cuidados ao paciente devem ser conduzidos para que o risco de dano desnecessário seja reduzido a uma taxa mínima.

Por definição temos: 

  • dano: é a perda da função do corpo ou de qualquer parte dele;
  • risco: é a oportunidade de um incidente ocorrer;
  • incidente: é o episódio que poderia ter como efeito, ou chegou a ele, em dano não necessário ao paciente;
  • circunstância notificável: é o acontecimento com potencial de provocar um dano ou lesão;
  • near miss: é o acontecimento que não chegou a alcançar o paciente;
  • incidente sem lesão: é o acontecimento que chegou ao paciente, mas não causou dano;
  • evento adverso: é o acontecimento que sucedeu em dano ao paciente.

Programa Nacional de Segurança do Paciente tem como finalidade geral a de contribuir para a qualidade do cuidado em saúde, em todos os estabelecimentos de saúde do território nacional, sejam organizações públicas ou privadas.

A maior parte das ocorrências de eventos adversos em pacientes apontam para: quedas, administração incorreta de medicamentos, falhas na identificação do paciente, erros em procedimentos cirúrgicos, infecções hospitalares e mau uso de equipamentos e dispositivos médicos. 

Esse programa estabelece um conjunto de 6 protocolos, que foram definidos pela OMS, em que devem ser elaborados e implantados metodologias que contribuam para a segurança do paciente. Confira quais são!

Protocolo de Identificação do Paciente

A finalidade desse protocolo é a de garantir uma identificação precisa do paciente em qualquer área da instituição de saúde. Essa identificação garante ao paciente que a ele é atribuído um certo tipo de tratamento ou procedimento e, assim, o protegendo por meio de práticas que evitem a ocorrência de erros e enganos que possam prejudicá-lo.

Muitas instituições de saúde, fazem uso de pulseiras para identificar os pacientes, colaborando com altos níveis de consciência profissional da equipe e evidenciando a importância da tomada de decisão da aplicação da pulseira o mais precocemente possível.

Protocolo de Higienização das Mãos

A higienização das mãos tem como intuito o de promover a higiene das mãos em todos os serviços de saúde, para prevenir e controlar as infecções relativas ao auxílio à saúde, tendo em vista a garantia ao paciente, aos trabalhadores da área da saúde e de todas as pessoas envolvidas nos cuidados do mesmo. 

A limpeza das mãos dentro de um ambiente de saúde, acontece em 5 momentos: 

  • antes de tocar no paciente;
  • antes de realizar procedimentos;
  • após o contato com sangue ou secreções do paciente;
  • depois de tocar o paciente;
  • depois de ter contato com superfícies próximas ao paciente como mesas ou bordas de cama.

Existem duas recomendações para esse momento de limpeza das mãos: a higienização com água e sabão, e a higienização com preparações alcoólicas.

Protocolo de Cirurgia Segura

O Programa Nacional de Segurança do Paciente atribuiu a esse protocolo a finalidade de que medidas devam ser implantadas em instituições de saúde para reduzirem a ocorrência de incidentes, eventos adversos e mortalidade cirúrgica. 

Essa prática possibilita o aumento da segurança na realização de procedimentos cirúrgicos, no local correto e no paciente correto, por meio da Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica desenvolvida pelo Ministério da Saúde.

A lista de verificação tem como objetivo checar alguns passos em determinados processos como: 

  • antes da indução anestésica (entrada); 
  • antes da incisão (pausa cirúrgica);
  • antes do paciente sair da sala de operações (saída). 

Essa lista não tem a intenção de ser abrangente, portanto pode ser modificada conforme as necessidades de cada instituição.

Protocolo de Prescrição e Administração de Medicamentos 

Esse protocolo tem como função promover práticas seguras no uso de medicamentos em todas as instituições de saúde e em todos os níveis de complexidade. 

Diante da possibilidade de se prevenir os erros de medicação e do risco em função de sua ocorrência, a prática de prevenções de erros é considerada um fator importante que contribui para o aumento da segurança do paciente. 

A prevenção de erros durante a prescrição e administração de medicamentos inclui desde anotar as alergias dos pacientes no prontuário até a dupla checagem entre os profissionais de saúde no momento da administração do medicamento.

Protocolo de Prevenção de Úlceras por Pressão 

As úlceras por pressão, são lesões localizadas na pele ou tecidos subjacentes do corpo, que geralmente se encontram sobre uma proeminência óssea e que são resultantes da pressão por fricção da pele.

As medidas de prevenção e identificação precoce dessas lesões, são intervenções que abordam melhores práticas no paciente como: 

  • o cuidado da pele; 
  • a redução da sobrecarga nos tecidos e utilização de superfícies especiais de suporte;
  • o cuidado com a hidratação e a nutrição;
  • educação em saúde.

Protocolo de Prevenção de Quedas

O conceito de queda pode ser representado como a mudança não intencional do corpo para um nível inferior à posição inicial que ele se encontrava, sem a chance de reparação em tempo hábil. Quando esse tipo de situação acontece, algumas lesões podem ocorrer no paciente e, como consequência, o aumento do tempo de intenção dele.

A meta desse protocolo é a de reduzir as ocorrências de quedas, por meio da implantação de medidas que considerem o risco individualizado e a garantia de um ambiente seguro para o paciente. 

Algumas medidas de segurança podem ser adotadas como: 

  • orientação para o uso de vestuários e calçados adequados; 
  • movimentação segura do paciente; 
  • pisos antiderrapantes, entre outros.

Equipamentos médicos e segurança do paciente

A segurança do paciente é o objetivo do Programa Nacional de Segurança do Paciente e também uma das principais responsabilidades dos profissionais da área da saúde. Pensando nisso, quando falamos em segurança e equipamentos médicos, falamos também sobre saúde. 

A qualidade dos equipamentos é o que garante a segurança dos pacientes nos momentos de exames, consultas e tratamentos de doenças. À medida que eles se tornam mais modernos, mais seguros os aparelhos podem ser para os pacientes. 

Também é importante reconhecer o impacto da segurança do paciente na redução de custos relacionados aos danos e na melhoria da eficiência dos sistemas de saúde. 

Por isso, é fundamental que na hora da escolha do equipamento, precisamos dar preferência às empresas que proporcionam uma excelência na prestação de serviços como venda ou aluguel de equipamento e controle na prevenção corretiva dos mesmos.

Sendo assim, a instituição de saúde que opta por adquirir e trabalhar com aparelhos modernos oferece ao paciente segurança e garantia de qualidade no atendimento e tratamento.

Prevenindo os eventos adversos

Os eventos adversos podem ser evitados por meio de triagem e identificação precoce dos fatores que colocam os pacientes em risco. 

A comunicação eficaz com os pacientes, seus familiares, cuidadores e outros profissionais de saúde é importante na prevenção desses eventos dentro das instituições de saúde. A falta de comunicação e colaboração entre os profissionais de saúde é um fator comum na maioria dos eventos adversos e precisa ser prevenida e evitada.

Todos os funcionários têm um papel compartilhado na prevenção de danos aos pacientes.

Certifique-se de estar familiarizado com a política do Programa Nacional de Segurança do Paciente em seu serviço de saúde e também em relação à prevenção de eventos adversos.

Agora que você sabe da importância da segurança do paciente, que tal compartilhar em suas redes sociais essas informações para mais profissionais da saúde!

Você também pode gostar

Deixe um comentário